Mulher não lava o cabelo há um mês por causa do coronavírus



O confinamento a que a população se viu obrigada a cumprir no Reino Unido devido ao coronavírus provocou traumas ainda de difícil análise. Lynette Morse, uma mulher de negócios de Glasgow que sempre teve extremo cuidado com a sua imagem pessoal, é uma das muitas vítimas da pandemia do Covid-19.

Em teletrabalho desde 22 de março, a escocesa confessou ao diário The Sun que se foi desleixando no seu trato pessoal. Já nem se dava ao trabalho de se maquilhar, tarefa que lhe ocupava quase uma hora todos os dias, e onde gastava quase 100 euros por mês.

Chegou a estar um mês sem lavar o cabelo e só tomava banho quase de semana a semana, quando o cheiro de sujidade se sobrepunha aos odores do perfume e do desodorizante.

Enquanto não cheirasse mal, ia-se “lavando” com toalhitas para bebé. “Como o trabalho era pouco, estendia-me no sofá, recebia as compras do supermercado em casa…”, explicou a gestora. “Não tinha qualquer motivo para sair de casa, por isso perguntava-me: porque tinha de tomar banho?”, afirmou.



Gestor de carreiras, o namorado de 38 anos nunca a chamou a atenção, mesmo quando ela deixou de se vestir como se fosse para o trabalho. Levantava-se da cama e ia trabalhar em pijama no computador. A lida da casa também começou a sofrer com o seu desleixo. A louça por lavar ia-se acumulando e os lençóis da cama só eram trocados a cada duas semanas

Quando se deram os primeiros passos de desconfinamento no Reino Unido, começou a sair timidamente de casa para ir fazer compras. Antes da pandemia, Lynette Morse fazia questão de aperaltar-se, mas agora vai de fato de treino. “Se as pessoas estão socialmente distantes e a usar máscaras, por que não usaria sapatilhas?!”, interroga-se em jeito de afirmação.

Agora que o desconfinamento foi levantado no Reino Unido, a mulher de negócios tenta readaptar-se à antiga normalidade. O problema é que o seu cérebro mantém-se ligado ainda em modo de quarentena. FONTE